Portfolio: Revista Gestos

Matéria - Revista Gestos
Ed.01/Nov/07
Publicação, elaborada para comunidade Surda.



A Conquista de um Emprego

“A complexidade desta tarefa”

Por Fernanda Ferreira

A busca por uma vaga no mercado profissional é muitas vezes desgastante. A “tão sonhada entrevista” pode se transformar em um “terrível pesadelo”.

Para o deficiente a colocação no mercado profissional torna-se mais seletivo. Nas vagas disponíveis para os surdos é informado o nível de surdez (surdo parcial leve, ou total) que a pessoa deve ter para ocupar o cargo.

Em instituições ligadas ao serviço público a Lei nº. 8666/93 art.29, inciso XX, com as alterações da Lei nº. 8883/94 (Lei das concorrências públicas) dispensa a empresa de proceder a uma concorrência pública para contratação desta mão de obra. Nas empresas privadas a Lei nº. 8.213/91 determina que disponham a reserva de vagas entre 2% a 5% para pessoas portadoras de deficiência sobre o número total de funcionários.

Sendo assim, apesar de “seletivo” não se torna “impossível” ocupar uma dessas vagas. Em seu segundo emprego, Mayra Garcia, 22, Auxiliar Administrativo da área de Recursos Humanos, conta sua experiência: “No primeiro emprego trabalhei na área de produção numa empresa de gráfica, a experiência foi boa, mas os benefícios e salário eram péssimos. Saí da empresa por não estar satisfeita e não é adequada para o meu futuro profissional. Foi o 1º passo da carreira”.
Foto Arquivo Pessoal - Mayra Garcia

A comunicação na empresa é adaptada conforme o conhecimento dos funcionários. Sendo em LIBRAS para aqueles que têm o domínio da língua ou até mesmo gestos.

Os benefícios oferecidos dos funcionários são geralmente: Vale Transporte, Vale Refeição, Assistência Médica, Seguro de Vida e oportunidade de crescimento.

Atraído por essa oportunidade, Daniel Lopes Viana, 25, trocou o emprego anterior pelo atual em que trabalha 8h por dia, sendo operador de máquinas em uma metalúrgica do segmento automotivo, fazendo peças para freios de autos. “Gosto do que faço, porque sou tratado igual aos outros.”

Foto Arquivo: Daniel Viana

A FENEIS – Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos – e ao longo dos anos tem aberto as portas para o surdo em diversas empresas e instituições, que cada vez mais constatam a sua capacidade produtiva. Esclarecem para o funcionário surdo a filosofia institucional, a fim de obter resultados satisfatórios e corresponder às expectativas do contratante. A experiência do trabalho com o profissional surdo, possibilita às empresas uma projeção maior no campo social.

Dicas para entrevista
Após o envio de vários currículos chegou o esperado dia em que você irá participar de uma seleção para o cargo pretendido. Prepare-se! Saiba o que “Não” fazer em uma entrevista de emprego.

- Não chegue atrasado, se possível chegue uns 10 ou 15 minutos antes do horário marcado.
- Não cometa excessos na roupa, no perfume e nos acessórios. Seja discreto (a)! Use roupas sóbrias, mas confortáveis, sempre de acordo com o seu nível hierárquico, área profissional e também de acordo com a cultura da empresa.
- Não chegue totalmente "cru" na entrevista. Visite o site da empresa, conheça o objetivo da empresa, tipos de produtos e serviços, concorrentes e particularidades do mercado.
- Não minta. Jamais. Todo o seu histórico profissional poderá ser investigado - a maioria das consultorias faz isso. Coloque suas experiências de forma clara e objetiva.
- Não fale mal das outras empresas que você trabalhou. Isso também vale para o ex-chefe e colegas de trabalho
- Não use gírias, brincadeiras de baixo calão e palavrões na entrevista, por mais informal que seja o entrevistador.
- Não ignore perguntas ou mude de assunto de repente. Se você não sabe a resposta para determinada questão, a melhor coisa é não inventar respostas ou tentar fugir. Seja sincero (a) e diga que não tem muito conhecimento sobre esse assunto e prefere não opinar.
- Não invente desculpas ou culpados para as possíveis falhas que possam existir em sua carreira. Se o selecionador perguntar porque você saiu do último emprego e você foi demitido, coloque isso para o selecionador, explique a razão e pronto.
- Não questione sobre salário e benefícios até que o selecionador introduza o assunto.
-Não vá embora sem ter esclarecido todas as suas dúvidas sobre a vaga, suas futuras responsabilidades e metas.



2 comentários:

  1. Não há nada como um texto bem escrito por quem sabe do que está falando!

    Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Ma,

    Fico honrada com a sua visita e feliz em saber que gostou do texto..estou engatinhando...rs

    Obrigada!

    Bjs,

    ResponderExcluir